COMITÊ SE REÚNE PARA DEBATER SOLUÇÕES PARA O COMBATE AO AEDES AEGYPTI

76
290

 

O Comitê Municipal de Prevenção das Arboviroses em Nova Serrana reuniu-se no último dia 13/12 para discutir estratégias de combate ao mosquito Aedes Aegypti.

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Idália Carneiro, apresentou aos representantes de entidades civis e governamentais o resultado dos últimos levantamentos de casos de Dengue, Chikungunya, Zika Vírus e Febre Amarela, bem como dos focos do mosquito encontrados no município.

O Plano Municipal de Contingência para enfrentamento das arboviroses tem objetivo de organizar e planejar resposta no território, evitando ocorrência de óbitos, prevenindo e controlando os processos epidêmicos.

  • Com a dengue não se brinca

Segundo o relatório da coordenadora, a predominância dos focos são em vasos, frascos com água, pratos, pingadeiras, recipientes de degelo, bebedouros em geral, fontes ornamentais e materiais de construção. Estes são seguidos de tanques, depósitos em obras, borracharias, hortas, sanitário em desuso e ralinhos de banheiros: estes chegam à 28% do total apurado.

O resultado do levantamento do grupo A2, correspondente a depósitos ao nível do solo, barris, tinas e tonéis também foi alto, chegando a 25%.

Idália salientou que depósitos de barro, dada a constante falta d’água percebida nos últimos meses na cidade, também têm contribuído consideravelmente para o aumento dos focos.

As caixas d’água também são um caso à parte: as pessoas teimam em não tampar e manter limpos os seus reservatórios, e essa prática, essa falta de compromisso com a saúde, prejudica toda a vizinhança ao redor de um eventual foco, que no caso das caixas d’água, tende a abrigar uma grande quantidade de larvas e mosquitos.

Idália lembrou, baseada no último LIRAa, que apesar do resultado deste ter apontado um risco médio em Nova Serrana, a doença tem apresentado um crescimento muito grande de casos em todo o Brasil e que o histórico mostra que estamos em um ano com grande possibilidade epidêmica.

“Se não houver um combate efetivo e a total colaboração da população no sentido de diminuirmos a incidência do mosquito, a chance de termos um aumento preocupante de casos é praticamente inevitável”, concluiu a coordenadora.

JORNAL GAZETA DE NOVA SERRANA, NOTÍCIA E INFORMAÇÃO EM 1° LUGAR! PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP: (37)99970-8780

 

76 COMMENTS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here